Show simple item record

dc.contributor.advisorFerrari Júnior, Pedro Adilãopt_BR
dc.contributor.authorZacchi, Simone Pamplonapt_BR
dc.date.accessioned2016-11-30T15:00:33Z
dc.date.available2016-11-30T15:00:33Z
dc.date.issued2015
dc.identifier1974pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/1007
dc.description.abstractO presente trabalho vem tratar da responsabilidade civil aplicada ao Direito de Família no que tange a indenização por abandono afetivo em meio à relação paterno-filial. A possibilidade ou não de um filho menor obter do genitor indenização por danos morais e psicológicos em decorrência do abandono afetivo é o te ma que define toda a questão a ser abordada. Os princípios basilares para a compreensão da referida obrigação fundam-se na Constituição Federal, bem como no processo evolutivo sofrido pelo Direito de Família, tendo como prisma o afeto que, passou a ser um dos, e por que não dizer, o principal fundamento da entidade familiar. Porém, como é sabido, muitos pais, independentemente do fato de cumprirem suas obrigações alimentícias junto ao(s) filho(s), descumprem este princípio que decorre diretamente da relação paterno-filial, deixando-o(s) desamparados moral e psicologicamente. Assim, o presente trabalho tem como objeto apreciar a questão através de entendimentos doutrinários e jurisprudenciais, bem como sob a legislação vigente. Para tal fim, a pesquisa foi estruturada em cinco seções, compreendidas em: Introdução, três capítulos de desenvolvimento e conclusão. O primeiro capítulo destina-se ao estudo da família, com um breve histórico, seu conceito, a família contemporânea e, ainda, alguns princípios relacionados ao tema. No segundo capítulo apresenta-se resumidamente, os aspectos gerais da responsabilidade civil no direito brasileiro: um breve histórico, conceitos, classificação e pressupostos. Na sequência, o terceiro capítulo traz o tema propriamente dito deste estudo, isto é, a (im)possibilidade de responsabilização civil paterna em razão do abandono afetivo dos filhos menores, a importância dos pais no desenvolvimento e formação dos filhos, a proteção jurídica do afeto nas relações paterno-filiais, o abandono afetivo em si e a interpretação doutrinária e jurisprudencial atribuída à matéria. Por fim, apresenta-se a conclusão da presente pesquisa, analisando na doutrina e jurisprudência as correntes favoráveis e contrárias sobre o tema, demonstrando-se que o assunto deve ser observado caso a caso, com cautela, de forma a evitar demandas meramente interesseiras, ao mesmo tempo não deixando sem guarida as verdadeiras vítimas do abandono afetivo.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofDireito - Pedra Branca
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPaternidadept_BR
dc.subjectResponsabilidade (Direito)pt_BR
dc.subjectFamíliapt_BR
dc.subjectDireito de famíliapt_BR
dc.titleAbandono afetivo paterno filialpt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.isReferencedByMonografia (Curso de Direito).pt_BR
dc.hasPart110917_Simone.pdfpt_BR
dc.subject.areaCiências Sociais Aplicadaspt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons