Show simple item record

dc.contributor.advisorOuriques, Erasmo Paulo Miliorinipt_BR
dc.contributor.authorRovaris, Aléxia Cecíliapt_BR
dc.date.accessioned2016-11-30T15:02:20Z
dc.date.available2016-11-30T15:02:20Z
dc.date.issued2013
dc.identifier1521pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/1373
dc.description.abstractO presente estudo teve como objetivo geral verificar se o ritmo em aulas de RPM de professores e alunos mostram variação na intensidade do exercício. Dessa forma, foram beneficiados além dos participantes, treinadores de diversas modalidades e professores do RPM, visto que terão embasamento teórico ao explicar a influencia da intensidade e do ritmo do RPM enquanto objetivo de treino de cada aluno. Este estudo caracteriza-se como pesquisa descritiva de cunho quantitativo. Quanto aos procedimentos técnicos, o estudo tem característica empírica descritiva. Participaram da pesquisa 6 praticantes do RPM do gênero feminino, sendo 4 alunas (A1 a A4) e 2 professoras (P1 e P2), entre 20 e 40 anos da academia Bio Fitt, no munícipio de Palhoça, Santa Catarina, que assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Para realização deste estudo foram utilizados a bicicleta estacionária do tipo Tomahawk serie S e o relógio polar do tipo RS 300X tm. Para análise dos dados foi utilizada a estatística descritiva. De acordo com as variáveis obtidas foi utilizada frequência cardíaca média) apresentada através de gráficos e tabelas. Durante a aula pôde-se observar que as professoras não apresentaram discrepâncias consideráveis em percentuais de frequência cardíaca de treino e, por isso, mantém a intensidade proposta pela aula. Em alguns momentos, como no track 5, por exemplo, a intensidade ultrapassou os limites atingidos por P2. Já as alunas apresentaram valores divergentes de frequência cardíaca de treino entre si. Quando comparadas as professoras, as alunas apresentaram valores distintos de frequência cardíaca. No track 5, "A2" e "A3", ficaram acima dos 90% de valor de frequência cardíaca de treinamento, enquanto "A1" e "A4" apresentaram valores abaixo de 90% no mesmo track. Deste modo, observa-se que em mesmo ritmo de RPM a intensidade varia entre o aluno e professor. Sendo assim, todos os objetivos traçados neste estudo foram alcançados, sugerindo a utilização de frequencímetro como controle de treinamento, visto que, nessa modalidade, há situações de esforço considerável que variam entre 65% e 92%, além de um acompanhamento de um profissional de educação física durante as aulaspt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofEducação Física Bacharelado - Pedra Branca
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCiclismopt_BR
dc.subjectTreinamento (Atletismo)pt_BR
dc.titleIntensidade e ritmo em aulas de RPM entre professores e alunospt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.isReferencedByMonografia (Curso de Educação Física)pt_BR
dc.hasPart108912_Alexia.pdfpt_BR
dc.subject.areaCiências da Saúdept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons