Show simple item record

dc.contributor.advisorLuna, Iúri Novaespt_BR
dc.contributor.authorSouza, Janici dept_BR
dc.date.accessioned2016-11-30T15:03:35Z
dc.date.available2016-11-30T15:03:35Z
dc.date.issued2009
dc.identifier578pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/1462
dc.description.abstractO presente trabalho refere-se à percepção de trabalhadores bem sucedidos, advindos de escolas públicas, que iniciaram a carreira com atividades de baixa renda e pouco status social e foram ao longo da trajetória obtendo ascensões na carreira profissional. Para atender ao objetivo da pesquisa foi realizado o estudo de caso com cinco profissionais que iniciaram a carreira antes dos 18 anos, em atividades como ajudante de pedreiro, atendentes e auxiliares de serviços gerais e foram progredindo na carreira chegando hoje a ocupar postos de alta gerência, diferenciando-se dessa forma de sua posição socioeconômica de origem por meio de sua profissão. O trabalho é classificado como exploratório e qualitativo, e utilizou a entrevista semi-estruturada como instrumento de coleta de dados, para conhecer a trajetória profissional e identificar a que os trabalhadores bem sucedidos atribuem seu sucesso na carreira de acordo com o construto lócus de controle (interno e externo). Após a entrevista foram criadas categorias para agrupar os dados coletados e em seguida foram realizadas as análises dos dados em junção com o referencial teórico deste trabalho. Os resultados alcançados permitem considerar que os trabalhadores investigados que conseguiram obter ascensão na carreira profissional atribuem seu sucesso, sobretudo as suas características pessoais, ou seja, a fatores controlados por eles próprios (lócus de controle interno). Os cinco participantes citaram como determinante do seu processo de ascensão profissional suas características pessoais, como: domínio do estado de espírito, coragem, dedicação, determinação, luta, vontade de vencer, gana para saber aonde quer chegar, honestidade, aptidão e espírito empreendedor (Lócus de controle interno). Dois dos entrevistados citaram que em primeiro lugar está à base familiar e em segundo suas características pessoais. Um entrevistado citou que além das características pessoais é preciso ter sorte, ou seja, fatores que não dependem de seu controle (lócus de controle externo). Os profissionais demonstraram que foram ao longo da trajetória construindo um planejamento, estabelecendo metas e estratégias para alcançar seus objetivos, a curto e longo prazo. Podemos observar por meio das entrevistas, que suas competências pessoais foram reconhecidas pelos meios sociais, dessa forma, algumas pessoas agiram como mediadores para o crescimento profissional desses sujeitos, prestando apoio para que pudessem prosseguir seus estudos e ocuparem novas posições sociais.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofPsicologia - Pedra Branca
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPsicologia organizacionalpt_BR
dc.subjectCarreiras - Planejamentopt_BR
dc.subjectOrientação profissionalpt_BR
dc.titleAscensão profissionalpt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.isReferencedByMonografia (Curso de Graduação em Psicologia)pt_BR
dc.hasPart100269_Janici.pdfpt_BR
dc.subject.areaCiências Humanaspt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons