Show simple item record

dc.contributor.advisorKienen, Nádiapt_BR
dc.contributor.authorMarcon, Doralina Engept_BR
dc.date.accessioned2016-11-30T15:03:49Z
dc.date.available2016-11-30T15:03:49Z
dc.date.issued2011
dc.identifier994pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/1534
dc.description.abstractA saúde mental é um assunto emergente, uma vez que as redes de saúde mental no país continuam em desenvolvimento, e por esse motivo é importante a produção e renovação de conhecimentos sobre o tema. Verificando a escassez de pesquisas sobre a saúde mental na Abordagem Centrada na Pessoa - especificamente a psicose - pensou-se no tema desse trabalho de conclusão de curso. Dessa forma, essa pesquisa objetiva caracterizar a intervenção de psicólogos que atuam com pessoas com psicose a partir da Abordagem Centrada na Pessoa. Para que este objetivo fosse alcançado, foi realizada uma pesquisa exploratória de caráter qualitativo com delineamento estudo de caso. Foram participantes da pesquisa dois psicólogos que trabalham há mais de 20 anos com pessoas com psicose a partir da Abordagem Centrada na Pessoa. Esses profissionais foram indicados por uma psicóloga da grande Florianópolis que atua a partir da mesma abordagem. Todos os contatos com os participantes foram realizados via e-mail, e desta forma foi enviado e respondido o questionário aberto, composto por três perguntas referentes aos três objetivos específicos delineados. Primeiramente os dados coletados foram categorizados a partir da técnica de análise de conteúdo, seguidos pela análise de acordo com o referencial teórico proposto. Constatou-se que esses profissionais não percebem a psicose como uma doença, mas um estado ou uma situação. Não são estabelecidos objetivos prévios no atendimento, uma vez que a pessoa atendida que dá a direção ao mesmo. O entendimento da linguagem da pessoa com psicose em psicoterapia é fundamental, bem como é importante o envolvimento da família e o uso de medicamentos. Os profissionais percebem como resultado do processo psicoterápico, que a pessoa cria novas relações com seu mundo e com os demais. Conclui-se que, o diagnóstico é secundário na intervenção psicológica, uma vez que a pessoa é colocada em primeiro plano. O envolvimento da família no que diz respeito ao atendimento psicológico com pessoas com psicose é importante para promover esclarecimentos e reflexões sobre familiar com psicose. O uso adequado de medicação é considerado importante, pois atua no alívio de sintomas. Quanto aos resultados da psicoterapia, os psicólogos pontuam que as pessoas com psicose passam a perceber seu mundo particular e fazer uma diferenciação entre seu mundo e o mundo do outropt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofPsicologia - Pedra Branca
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectSaúde mentalpt_BR
dc.subjectPsicosespt_BR
dc.subjectPsicólogospt_BR
dc.title'Pretendo apenas ser um visitante naquele mundo'pt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.isReferencedByMonografia (Curso de Psicologia).pt_BR
dc.hasPart104129_Doralina.pdfpt_BR
dc.subject.areaCiências Humanaspt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons