Show simple item record

dc.contributor.advisorBartilotti, Carolina Bunnpt_BR
dc.contributor.authorThomaz, Sailin Vieirapt_BR
dc.date.accessioned2016-11-30T15:03:51Z
dc.date.available2016-11-30T15:03:51Z
dc.date.issued2012
dc.identifier1116pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/1547
dc.description.abstractA presente pesquisa refere-se aos sentidos do trabalho para agentes comunitários de saúde e tem como objetivo caracterizar os sentidos atribuídos por agentes comunitários de saúde ao trabalho que desenvolvem no Município de Palhoça. Este trabalho é classificado como pesquisa exploratória e quantitativa, cujo delineamento é o de levantamento. Foi utilizado como instrumento de coleta de dados um questionário misto, contendo 19 perguntas o qual foi aplicado em 103 agentes comunitários de saúde do município de Palhoça a fim de alcançar o objetivo proposto para essa pesquisa. Os dados coletados foram analisados a luz da estatística descritiva e relacionados com o referencial teórico presente. Ao fim deste processo constatou-se que os sentidos do trabalho para a maior parte dos agentes comunitários de saúde pesquisados são atravessados pela lógica do modelo de produção vigente, em que se trabalha para aquisição de capital financeiro, sendo que para pouco menos da metade destes o trabalho está atrelado a gostar da profissão de ACS. Ainda se observou que metade dos sujeitos pesquisados além de trabalhar por dinheiro também percebe sua profissão como uma importante estratégia do SUS para auxiliar no alcance da saúde como um direito de todos. No que se refere ao cotidiano de trabalho do ACS de Palhoça pode-se constatar que este é permeado por dificultadores e facilitadores. Por dificultadores cabe destacar o salário e o ambiente de trabalho de agente comunitário de saúde. Já no que se refere aos facilitadores ficou evidente a proximidade do local de trabalho e o reconhecimento do trabalho do ACS pela comunidade. Também foram identificadas necessidades de treinamento e capacitações de forma contínua para estes profissionais. Ainda observou-se que embora o trabalho do ACS seja atravessado por dificuldades, o seu trabalho está mais permeado de sentimentos de alegria, satisfação e realização do que frustração, tristeza, medo e raiva. Vale destacar ainda que a maior parte dos pesquisados compreende o conceito de saúde como um completo bem estar físico mental e social, ou seja, da mesma forma que o conceito adotado pela Organização Mundial da Saúde. Esta pesquisa ainda apontou a importância de novos estudos sobre a percepção da comunidade e da equipe de saúde acerca do trabalho desenvolvido pelo agente comunitário de saúde, e os impactos de tais percepções no trabalho destes profissionais, de modo a propor intervenções que possibilitem uma ressignificação da função do agente comunitário de saúde, a qual se percebeu nesta pesquisa que carece de um esclarecimento sobre profissão de ACS frente à comunidade e à equipe de saúdept_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofPsicologia - Pedra Branca
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectTrabalho - Aspectos psicológicospt_BR
dc.subjectAgentes comunitários de saúdept_BR
dc.titleSentidos do trabalho para o agente comunitário de saúdept_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.isReferencedByMonografia (Curso de Graduação em Psicologia)pt_BR
dc.hasPart105483_Sailin.pdfpt_BR
dc.subject.areaCiências Humanaspt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons