Show simple item record

dc.contributor.advisorPretto, Zuleicapt_BR
dc.contributor.authorSampaio, Maria Margarida Barbosapt_BR
dc.date.accessioned2016-11-30T15:03:52Z
dc.date.available2016-11-30T15:03:52Z
dc.date.issued2012
dc.identifier1136pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/1557
dc.description.abstractA Psicologia é uma área recente dentro do contexto hospitalar, ainda requer debates sobre saberes e práticas; também é uma ciência que abarca uma diversidade de teorias, cada uma com sua prática singular, o Psicodrama é uma delas. Esta pesquisa procura compreender as intervenções dos psicólogos, que atuam com base no psicodrama, em unidades hospitalares. Para tanto, mantém diálogo, principalmente, com referenciais compreendidos pela psicologia hospitalar e pelo psicodrama. Trata-se de uma pesquisa exploratória de natureza qualitativa, com isso perspectiva incorporar os significados das intervenções psicológicas, construídos pelas psicodramatistas no contexto hospitalar. Os critérios de escolha de participantes foram: ser psicólogos psicodramatistas com experiência em unidades hospitalares. Devido aos profissionais com este tipo de característica ser deveras restrito, esta pesquisa ateve-se a cinco participantes. O instrumento de coleta de dados utilizado foi a entrevista semi-estrutrada. Para análise de conteúdo foram construídas categorias e subcategorias a posteriori. Esta pesquisa revela que: a Psicologia no hospital, conforme a literatura da área demonstra, apresenta dificuldade quanto à inserção na equipe de saúde; o trabalho das psicólogas é mais reconhecido pelas equipes médica e de enfermagem; a relação de trabalho com a equipe de saúde e a percepção da Psicologia passaram a ser valorizadas e reconhecidas, devido ao trabalho das psicodramtistasmas, se concretizando numa conquista; ainda há desconhecimento da função do psicólogo. Quanto ao atendimento no contexto hospitalar, vindo ao encontro da literatura, a pesquisa mostra características específicas e próprias, quanto a setor, local, frequência, duração e horário; a doença e a hospitalização trazem angústias, da mesma forma, para o paciente e para os familiares, gerando uma diversidade de demandas. Das demandas mais evidenciadas nesta pesquisa está, para o paciente, o empobrecimento e alteração do papel e, para a família, o medo da morte. A discussão de saúde segundo o psicodrama, é demonstrada pelas categorias desempenho de papéis, espontaneidade e criatividade e vínculo; e a doença através das categorias restrições da espontaneidade e da criatividade, restrições no desempenho de papéis, redução das percepções télicas e regressão na Matriz de identidade. Através da pesquisa, o psicodrama bipessoal e de grupo são evidenciados como modalidades de atendimento psicodramático possíveis no hospital. Como práticas psicodramáticas pertinentes a este contexto são reveladas: a elaboração verbal, o aquecimento, a dramatização, a utilização de material lúdico e as técnicas psicodramáticas, entre estas se destacando o duplo e a inversão de papéis. Por fim, a pesquisa aponta o psicodrama como uma abordagem possível, pertinente e apropriada no contexto hospitalarpt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofPsicologia - Pedra Branca
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectHospitais - Aspectos psicológicospt_BR
dc.subjectDoentes hospitalizados - Aspectos psicológicospt_BR
dc.subjectPsicologiapt_BR
dc.titleA psicologia em unidades hospitalarespt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.isReferencedByMonografia (Curso de Graduação em Psicologia)pt_BR
dc.hasPart105561_Maria.pdfpt_BR
dc.subject.areaCiências Humanaspt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons