Show simple item record

dc.contributor.advisorLopes, Ana Maria Pereira
dc.contributor.authorViella, Isabela Lopes
dc.coverage.spatialPalhoçapt_BR
dc.date.accessioned2017-10-09T19:24:21Z
dc.date.available2017-10-09T19:24:21Z
dc.date.issued2015
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/3072
dc.description.abstractO presente artigo propôs-se a investigar a percepção de mulheres que optaram por não ter filhos acerca dessa decisão, buscando identificar os fatores que levaram as mulheres casadas a não ter filhos, bem como verificar como as mulheres casadas que optaram por não ter filhos identificam pressões sociais decorrentes dessa escolha e verificar quais as repercussões se dão em suas vidas decorrentes da opção de não ter filhos. Quanto ao método utilizado, a pesquisa definiu-se como qualitativa, exploratória e com delineamento de estudo de casos. As participantes da pesquisa foram quatro mulheres casadas, entre as idades de 30 a 50 anos, residentes da Grande Florianópolis, que tivessem optado por não ter filhos, sendo utilizado como instrumento de coleta de dados a entrevista semiestruturada. Para interpretação dos dados foi utilizada a análise de conteúdo. Por meio dessa pesquisa foi possível concluir que as mulheres sem filhos recebem o apoio de familiares e amigos mais próximos referente à sua decisão, além de perceberem e valorizarem o fato de ter mais liberdade para busca de seus objetivos pessoais por conta disso. Referente às pressões sociais, foi possível perceber que as participantes identificam uma falta de compreensão por parte das pessoas em relação à decisão. E os argumentos utilizados pelas pessoas são muito semelhantes, tais como o desconhecimento do amor verdadeiro e a falta de amparo na velhice. No que se refere às repercussões dessa escolha, as mulheres entrevistadas identificam uma rejeição nos grupos maternos, no entanto as mesmas encontram outros grupos dos quais fazem parte, em que é possível compartilhar os interesses em comum. Em contrapartida, percebe-se que o acesso e o direito aos métodos de contracepção ainda são uma realidade que pode inviabilizar a escolha de não ter filhos por opção, devido a uma dificuldade existente na sociedade no que diz respeito à discussão sobre o tema de direitos reprodutivos. Conclui-se a partir dessa pesquisa que a opção pela não maternidade gera alguns embates entre as mulheres que fizeram essa escolha, no entanto, esses não são fatores que impactam de uma maneira negativa na vida das mulheres entrevistadas, pois ao decidirem como conviver com essa escolha, as mesmas encontram caminhos diferentes de realização pessoal que não estão relacionadas ao papel materno e possibilidades que vão além da maternidade.pt_BR
dc.format.extent34 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofPsicologia - Pedra Brancapt_BR
dc.subjectMaternidadept_BR
dc.subjectEscolhapt_BR
dc.subjectMulherespt_BR
dc.subjectFilhospt_BR
dc.titlePara além da maternidade: um estudo sobre mulheres que optaram por não ter filhospt_BR
dc.typeArtigo Científicopt_BR
dc.subject.areaCiências Humanaspt_BR


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons