Show simple item record

dc.contributor.advisorVieira Júnior, Enio Gentil
dc.contributor.authorDias, Pierre
dc.coverage.spatialFlorianópolispt_BR
dc.date.accessioned2017-10-23T19:16:39Z
dc.date.available2017-10-23T19:16:39Z
dc.date.issued2009
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/3388
dc.description.abstractA presente monografia tem como objetivo demonstrar o conceito de reiteração na prática de atos infracionais, previsto no art. 122, incisos II e III, constante da Seção VII, do Capítulo IV, do Título III, do Livro II da Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente. A menção minuciosa da localização do art.122 no corpo do Estatuto da Criança e do Adolescente não é acaso, visto que o modo como se divide o Estatuto é resultado da enorme evolução que nosso ordenamento jurídico passou após a entrada em vigor da Constituição da República Federativa de 1988, mormente seu art. 227, que nos trouxe o "princípio da proteção integral". Em razão da notada incompatibilidade entre os dispositivos do retrógrado Código de Menores, materializado por meio da Lei n. 6.697, de 10 de outubro de 1979, houve necessidade de elaboração de um novo diploma legal que pudesse refletir em seus dispositivos o novo princípio norteador dos direitos da população infanto adolescente. Com o advento do ECA, em 1990, houve uma série de mudanças nos direitos das crianças e adolescentes, e o princípio basilar, que até aquele momento, era o da situação irregular, deu espaço para uma doutrina atual e moderna, trazendo um novo sistema, chamado princípio da proteção integral da criança e do adolescente. Enfim, vamos tratar do Sistema Penal Juvenil, que se inaugura no art. 103, do ECA, "considera-se ato infracional a conduta descrita como crime ou contravenção penal". Verificada a prática de um ato infracional cometido por uma criança, estará sujeito as medidas protetivas elencadas no art. 101, do ECA. Já, constatada a prática de um ato infracional praticado por um adolescente, respeitando o contraditório e a ampla defesa, este ficará sujeito a uma das medidas sócio-educativas previstas no art. 112, do ECA.pt_BR
dc.format.extent69 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofDireito - Florianópolispt_BR
dc.subjectCriança e adolescentept_BR
dc.subjectReiteraçãopt_BR
dc.subjectAto infracionalpt_BR
dc.subjectMedida sócioeducativapt_BR
dc.subjectECApt_BR
dc.subjectConceitopt_BR
dc.titleRevisitando paradigmas: os sentidos produzidos sobre justiça restaurativa para adolescentes autores de ato infracionalpt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.subject.areaCiências Sociais Aplicadaspt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons