Show simple item record

dc.contributor.advisorGalato, Dayani
dc.contributor.authorFissmer, Mariane Corrêa
dc.coverage.spatialTubarãopt_BR
dc.date.accessioned2017-10-23T20:16:39Z
dc.date.available2017-10-23T20:16:39Z
dc.date.issued2013
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/3596
dc.descriptionIntroduction: The use of medicines in the pediatric population should be cautious, especially when doing self-medication. The World Health Organization (WHO) defines self-medication as the selection and use of non-prescription drugs, being part of self-care in a broader context. Self-medication in childhood consists of the administration of drugs by parents or guardians. Objectives: This study was intended to describe the use of medicines with emphasis on selfmedication for dermatologic conditions in children from birth to 24 months of age, enrolled in the Children's Educational Centers (CEIs) of public and private schools in the city of Tubarão, state of Santa Catarina, Brazil. Methods: A cross-sectional study was conducted, based on interviews with children’s parents or guardians. Information about the child and the family was collected. The use of medications and other therapeutic strategies in the past 30 days was investigated. Dermatopathy (skin condition) symptom encompassed all cutaneous-mucous disorders. A 95% confidence interval was considered to estimate the prevalence of selfmedication. Statistical association test included the chi-square test. The level of significance was set at .05. Results: The study included 184 children between the ages of 3 and 24 months, with a mean of 15.9 (SD: 5.6) months. All children in diapers (n=183; 98.4%) had exclusive use of disposable diapers, and 86 children (46.7%) had current skin diseases, the most common being diaper dermatitis, unspecified allergic dermatitis, and scrofulous affections. With regard to the overall pharmacotherapeutic profile, 89.1% (95% CI: 83.8-92.8) of the children had used at least one medication and/or alternative therapy in the past 30 days. The prevalence of prescription-drug use was 36.8% for dermatologic disorders and 80.2% for conditions not related to skin diseases. The overall self-medication was estimated at 61.5% (95% CI: 54.3 to 68.3), of which 56.5% (95% CI: 48.4 to 63.0) for dermatologic disorders and 13.9% (95% CI: 9.6 to19.7) for conditions not related to skin diseases. However, the majority of respondents reported that they ignored which medications or products should be used for dermatologic disorders, requiring direct identification strategies. The most commonly used drugs for dermatological self-medication were emollient and protective products, characterized, in particular, by creams for the diaper regi. Topical corticosteroids and antifungal medication were the black label drugs most frequently used for dermatologic selfmedication. A statistically significant association was found between sunscreen use (p=0.005), other skin products such as moisturizers (p=0.004) and self-medication for skin disorders. Conclusion: Children were exposed to prescription and non-prescription medication. It was observed that often parents and guardians ignored the proper use of medicines and dermatologic alternatives, especially topically used drugs. These findings demonstrate the need to better address this issue, since these products can affect the health conditions of this age group.pt_BR
dc.description.abstractIntrodução: O uso de medicamentos na população pediátrica deve ser realizado com cautela, em especial quando exercido por automedicação. A Organização Mundial da Saúde conceitua a automedicação como a seleção e utilização de medicamentos sem prescrição, neste contexto sendo contemplada nas medidas do autocuidado. Na infância esta prática é definida pela administração de medicamentos pelos pais ou responsáveis. Objetivos: Descrever o perfil de uso de medicamentos enfatizando a prática da automedicação em condições dermatológicas nas crianças de zero a 24 meses de idade, matriculadas nos Centros Educacionais Infantis da rede pública e privada no município de Tubarão (SC). Métodos: Estudo transversal, baseado em entrevistas com os responsáveis pelas crianças. Foram coletadas informações sobre a criança e a família. Investigou-se o uso de medicamentos e outras estratégias terapêuticas observando-se a prescrição atual e a prática de automedicação, considerando-se os medicamentos e as alternativas terapêuticas utilizadas nos últimos 30 dias. Foi considerada dermatopatia (condição dermatológica) toda doença e sintoma de acometimento cutâneomucoso relatada pelos pais ou responsáveis. Estimou-se a prevalência de automedicação considerando um intervalo de confiança de 95%. Na análise estatística para a identificação das associações foi adotado o teste do qui-quadrado, tendo como significância estatística p<0,05 Resultados: O estudo incluiu 184 crianças de três a 24 meses com média de 15,9 (SD: 5,6) meses de idade. Todas as crianças que usavam fraldas (n=183; 98,4%) faziam uso exclusivo de fraldas descartáveis e 86 crianças (46,7%) possuíam dermatopatias atuais, sendo as mais comuns: dermatites das fraldas; dermatites alérgicas não especificadas e estrófulo. Ao avaliar-se o perfil farmacoterapêutico geral observou-se que 89,1% (IC 95%:83,8-92,8) das crianças fizeram uso de pelo menos um medicamento e/ou alternativa terapêutica nos últimos 30 dias. A prevalência de uso de medicamentos por prescrição foi de 36,8% para condições dermatológicas e de 80,2% para condições não dermatológicas. A automedicação geral foi estimada em 61,5% (IC 95%: 54,3-68,3), sendo especificamente de 13,9% (IC 95%: 9,6-19,7) com finalidade não dermatológicas e de 56,5% (IC 95%: 48,4-63,0) para condições dermatológicas. No entanto, observou-se que a maioria dos entrevistados, ignora o uso dos medicamentos ou produtos de uso dermatológico, sendo necessárias estratégias diretas para a identificação deste uso. Os medicamentos mais comumente utilizados para a automedicação dermatológica foram os emolientes e protetores, caracterizados em especial pelos cremes da região das fraldas. Dos medicamentos tarjados utilizados por automedicação para condições dermatológicas, destacam-se os corticosteroides e os antifúngicos de uso tópico. Encontrou-se associação estatisticamente significativa entre uso de protetores solares (p=0,005), outros produtos para a pele como hidratantes (p=0,004) e automedicação para condições dermatológicas. Conclusão: As crianças são expostas ao uso de medicamentos prescritos e por automedicação. Observou-se que alguns responsáveis ignoram o uso de medicamentos e alternativas terapêuticas dermatológicas, principalmente aqueles de uso tópico. Estes achados demonstram a necessidade de melhor direcionar este questionamento, tendo em vista que estes produtos podem afetar as condições de saúde na faixa etária estudada.pt_BR
dc.format.extent75 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofPrograma de Pós-Graduação em Ciência da Saúdept_BR
dc.subjectAutomedicaçãopt_BR
dc.subjectCriançaspt_BR
dc.subjectDermatopatiaspt_BR
dc.subjectUso de medicamentospt_BR
dc.titlePerfil de uso de medicamentos em pré-escolares de zero a 24 meses de idade: uma ênfase na automedicação em condições dermatológicaspt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.areaCiências da Saúdept_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record


Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons