Show simple item record

dc.contributor.advisorNunes, Daniel Holthausen
dc.contributor.authorItaya, Gabriela Coelho
dc.coverage.spatialAnais Brasileiros de Dermatologiapt_BR
dc.date.accessioned2019-07-02T22:24:17Z
dc.date.available2019-07-02T22:24:17Z
dc.date.issued2019pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/7381
dc.description.abstractFundamentos: O câncer da pele é um problema de saúde crescente no Brasil e no mundo. Objetivo: Definir a incidência de câncer da pele e os fatores associados no Estado de Santa Catarina em 2018. Métodos: Estudo ecológico, com 12.549 pacientes, encaminhados ao serviço de Teledermatologia, por meio do banco de dados de acesso restrito da Rede Catarinense de Telemedicina e Telessaúde no ano de 2018. Foram levantadas as informações dos participantes e calculada a taxa de incidência do câncer da pele não melanoma e melanoma. Resultados: A incidência/100 mil casos para o Estado foi 73,35 novos casos de câncer da pele, sendo 67,77 de não melanoma e 5,58 melanoma. O Vale do Itajaí (128,44 não melanoma e 8,26 melanoma), e a Grande Florianópolis (86,85 não melanoma e 7,93 melanoma) apresentaram as maiores incidências. Houve predomínio do gênero feminino para ambos os tipos de câncer com 55,66% do total, a média de idade foi de 63,83 para mulheres e 64,35 para homens. O fototipo mais relacionado ao não melanoma foi o II (40,72%), com o sítio anatômico preferencial a cabeça (68,20%), e no melanoma o fototipo III (42,46%) e o sítio o dorso (26,86%). A sensibilidade e especificidade dos encaminhamentos foram respectivamente 69,90% e 59,59% para câncer da pele não melanoma e 75,18% e 94,30% para melanoma. Limitações do estudo: A base de dados dispõe de informações somente da rede pública de saúde, com pacientes encaminhados das Unidades Básicas de Saúde. O diagnóstico da doença não inclui ainda do exame histopatológico. A história familiar e pessoal não estavam preenchidas em 25,68% dos casos, dificultando maior análise. Conclusões: As incidências do câncer da pele total e dos tipos foram definidas. O perfil dos casos mostrou predomínio acima dos 60 anos, com pele clara e residentes na Macrorregião do Vale do Itajaí. A lesão foi única em sua maioria, com sítio preferencial na cabeça para não melanoma e dorso para o melanoma.pt_BR
dc.format.extent19 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofMedicina - Pedra Brancapt_BR
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectTelemedicinapt_BR
dc.subjectTeledermatologiapt_BR
dc.subjectCâncer da pelept_BR
dc.subjectmelanomapt_BR
dc.subjectCâncer não melanomapt_BR
dc.subjectIncidênciapt_BR
dc.titleIncidência de câncer da pele e fatores associados em Santa Catarina em 2018: registros da rede catarinense de Telemedicinapt_BR
dc.typeArtigo Científicopt_BR
dc.subject.areaCiências da Saúdept_BR


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil

Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons