Show simple item record

dc.contributor.advisorJeremias, Isabela Casagrande
dc.contributor.authorRodrigues, Gianderson Rufino
dc.coverage.spatialTubarãopt_BR
dc.date.accessioned2019-11-27T14:35:15Z
dc.date.available2019-11-27T14:35:15Z
dc.date.issued2018pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.riuni.unisul.br/handle/12345/8391
dc.descriptionDepression is one of the most known disorders today. It affects the functioning ability of the individual, and is characterized by sad or irritable mood, followed by somatic and cognitive changes. Exercise scientists and health and fitness professionals affirm that for better construction of defense against the development of diseases such as disorders and illness, it is necessary to practice regular physical activity. The prevalence of depressive disorders in medical students is already well described, it is estimated that this prevalence is between 8% and 17%. In recent years, articles have demonstrated a relation between physical activity and depression, and the need for a healthy lifestyle. Thus, it was stated whether the need to develop such research in order to observe if there is a relationship between the practice of physical activity and depressive disorder in academic students of the University of Southern Santa Catarina - Unisul. Using two questionnaires, one to evaluate the symptom of depressive disorder (Beck Depressive Inventory) and another for the levels of physical activity (Habitual Physical Activity Questionnaire). A Pearson correlation was performed, with all participants showing a correlation with r = -0.25, that is, the higher the level of physical activity the lower the symptom of depressive disorder. The inability to perform daily activities is linked to depressive disorder, which is recognized by discontent and decreased interest in activities that are generally pleasurable. In verifying the levels of physical activity we observed that the majority of participants (63.9%) are not engaged in any type of activity or little physical activity, that in this population, 40.6% have some symptom of depressive disorder. The practice of physical activity should not be used as the only form of treatment for depressive disorders, but as adjuvant treatment.pt_BR
dc.description.abstractA depressão é um dos transtornos mais conhecidos da atualidade. Ela afeta a capacidade de funcionamento do indivíduo, e é caracterizada por humor triste ou irritável acompanhado de alterações somáticas e cognitivas. Cientistas do exercício e profissionais da saúde e aptidão física, afirmam que para uma melhor construção da defesa contra o desenvolvimento de doenças como distúrbios e indisposição, é necessário a prática de atividade física regular. A prevalência de transtornos depressivos em estudantes de medicina já é bem descrita, estima-se que essa prevalência é entre 8% e 17%. Nos últimos anos, artigos demonstram relação entre atividade física e depressão, e a necessidade de ter um estilo de vida saudável. Assim sendo manifestou-se se a necessidade de desenvolver tal pesquisa com o objetivo de observar se existe relação entre a prática de atividade física e o transtorno depressivo em acadêmicos do curso de medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina – Unisul. Utilizando dois questionários, um para avaliar os sintomas de transtorno depressivo (Inventario de Depressão de Beck) e outro para os níveis de atividade física (Questionário de Atividade Física Habituais). Foi realizada uma correlação de Pearson, com todos os participantes mostrando uma correlação com r= -0,25, ou seja, quanto maior o nível de atividade física menor é o sintoma de transtorno depressivo A incapacidade de realizar atividades diárias, está juntamente ligada ao transtorno depressivo, que é reconhecido por descontentamento e decréscimo de interesse em atividades que geralmente são prazerosas. Ao verificar os níveis de atividade física observamos que a maioria dos participantes (63,9%) não praticam nenhum tipo de atividade ou pouca atividade física. que nesta população, 40,6% possuem algum sintoma de transtorno depressivo. A prática da atividade física não deve ser utilizada como única forma de tratamento para os transtornos depressivos, e sim como tratamento coadjuvante.pt_BR
dc.format.extent13 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofEducação Física Bacharelado - Tubarãopt_BR
dc.rightsAttribution-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/*
dc.subjectTranstorno depressivopt_BR
dc.subjectAtividade físicapt_BR
dc.subjectAcadêmicos de medicinapt_BR
dc.titleRelação entre a prática de atividade física e o transtorno depressivo em acadêmicos de um curso de medicinapt_BR
dc.title.alternativeRelationship between the practice of physical activity and depressive disorder in academics of a medical coursept_BR
dc.typeArtigo Científicopt_BR
dc.subject.areaCiências da Saúdept_BR


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NoDerivs 3.0 Brazil
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NoDerivs 3.0 Brazil

Mantido pela
Unisul
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons